Blade Runner - O Caçador de Andróides

("Blade Runner", 1982, Dir.: Ridley Scott)



Leia o texto completo e atualizado aqui.

5 comentários:

luizgusmao disse...

brilhante, thibes. agora me parece claro q nunca q o gaff estava vigiando todos os passos d deckard para matá-lo no fim, só q por algum motivo ele decide não fazê-lo.

terminator, frankenstein, adão e eva, pinóquio e agora os replicantes - o tema da criatura e do criador remete à lenda judia do golem: a estátua a quem um rabino macumbeiro dá vida para protegê-lo e q acaba se tornando uma ameaça.

Marcelo disse...

A primeira vez que vi Blade Runner também foi em VHS, na década de 80. E aquela locução em off me ajudou, num primeiro momento, a compreender melhor o filme. Por isso, hoje, dispenso, mas não renego a primeira versão. Ela teve o seu valor. Ainda acredito que o Deckard é humano. Porque se fosse robô, seria, no mínimo um pouco mais forte e não apanharia tanto dos outros Replicantes... Já perdi a conta de quantas vezes revi Blade Runner, melhor momento de Sir Ridley Scott, empatado com Alien. E concordo que o filme não envelheceu. Todas aquelas questões mostradas na tela ainda continuam por aqui. Belo texto.
Abs

Daniel G. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
pseudo-autor disse...

A melhor coisa que o Ridley Scott já fez em toda a sua carreira. Foi o primeiro DVD que eu comprei pra minha coleção. Tenho verdadeira devoção pelo filme! De lá pra cá todo mundo que fez ficção-científica tenta copiar, imitar, se inspirar no clima meio noir meio nonsense da película (em vão). É único em seu propósito até hoje, passadas mais de 2 décadas.

http://www.cinematotal.com/cineasta

Vinicius Claudio disse...

Engraçado...assisti a esse filme somente em 87(Blade Runner é de 82), juntamente com um tal de "Robocop", que era a coqueluche da época. Lembro que só eu adorei Blade Runner, os meus amigos odiaram...eh,eh,eh...nossa, como eu fiquei maravilhado com as músicas do Vangelis e uma história maravilhosa sobre Robótica (que estudo hoje) e sobre o que é de fato ser humano?
Parabéns pela análise do filme.